3 de maio de 2010

Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba - IHOC

O Instituto de Hematologia e Oncologia Curitiba foi fundado pelos Drs. Valdir Furtado e  Vanda Ogasawara, hematologistas  e oncologistas e Claudiney Cruz, oncologista.   Inaugurado em 2001,  a missão que se auto-atribuiu foi o diagnóstico e o tratamento do cancer e das doenças do sangue em adultos e crianças. Para tanto conta, alem dos profissionais já citados,  com um corpo clínico de excelência, altamente capacitado e atualizado,  com as Dras. Alessandra Menezes e Juliana Lima, hematologistas e Cláudia Lorenzato, esta última especialista em hematologia pediátrica e com os Drs. Wesley Santana, hematologista e Fabiano Bittencourt, cirurgião oncologista. O Instituto possue uma unidade de quimioterapia, construida seguindo os padrões mais modernos e seguros, sob rigorosa supervisão da Vigilância Sanitária e que oferece aos pacientes ambiente confortavel e seguro alem da garantia do uso dos medicamentos da melhor procedência e qualidade, diluidos e administrados por uma competente equipe de farmacêuticos, enfermeiras e técnicas de enfermagem. A quimioterapia é feita em regime essencialmente ambulatorial, mas alguns pacientes podem necessitar de internamento para tal fim. Alem disto os pacientes podem apresentar complicações do tratamento, e precisarem internamento hospitalar para tratamento. Dispõe para tanto dos hospitais Pilar, N.S. das Graças, Hospital XV e Vita/BR.

11 comentários:

  1. Boa tarde.
    Gostaria de saber mais sobre tumores.
    Qual a diferença entre câncer e tumor? O que é um nódulo? O que é osteoma? Qual o tratamento do osteoma?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde. Meu pai recebeu diagnóstico de metástase no fígado antes de fazer biópsia. Os exames tomográficos, endoscópicos, cononoscópicos e ecográficos não detectam foco principal em nenhum local do corpo. Não apresenta febre, tem bom funcionamento de digestivo e renal, sem queixas de dor, apresentando uma distenção abdominal muito grande proveniente de uma ascite que se forma segundo os médicos por defesa do organismo e um grande inchaço dos membros inferiores. Gostaria muito de uma opinião sua sobre o caso.
    obrigada.
    Martha

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Dr Valdir sou Andréa Ferreira de Lima ,colega de profissão graduada pela UFPR.Meu pai foi seu paciente logo que recebeu o diagnóstico de LMC, há aproximadamente 7 anos. Atualmente ele faz tratamento no Hc-UFPR com o mesilato de imantinibe/gleevec há mais de 3 anos ,estando com a doença controlada porém sem zerar os níveis de bcr/abl.
    Recentemente nos foi oferecida a possibilidade de participar do estudo com o NILOTINIBE e por já ter sido tratado com o doutor e admirar seu conhecimento na área gostaria de uma opinião sua.
    inclusive se o senhor dispuser de alguns estudos científicos já publicados ou em andamento poderia me enviar via e-mail?
    desde já muito obrigada
    Andréa Ferreira de Lima
    andreaferreiralima@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  4. Prezada Mariana:
    tumor é qualquer lesão que apresente aumento de volume de um orgão ou parte dele, superficial ou profundo. Tumores podem ser devidos a várias causas: cancer, processos inflmatórios, infecção, proliferação celular não maligna, para citar as mais importantes. É importante frisar bem que nem todo tumor é cancer.
    O cancer é uma proliferação celular maligna, isto é, as células não obedecem mais aos mecanismos normais que regem a proliferação celular e passam a se multiplicar desordenadamente. Frequentemente estas células saem do seu local de origem e pela circulação sanguínea ou linfática vão invadir outros orgãos, gerando tumores que se chamam de metástases. A malignidade do cancer é devida então à influência sobre o organismo como um todo, com perda de apetite, perda de peso e principalmente pelas metástases em outros orgãos, podendo levar à falência de diferentes orgãos e morte.
    Com relação ao osteoma, que é um tumor não maligno, o tratamento é essencialmente cirúrgico e um ortopedista deve ser consultado para tal.

    ResponderExcluir
  5. Prezada Martha Regina:
    seu pai teve o diagnóstico de tumor metastático no no fígado pelos dados clínicos e exames de imagem. O diagnóstico definitivo pode ser feito ou pela citologia do líquido ascítico obtido por punção abdominal, ou por biópsia do fígado que pode ser feita com agulha, se as condições dele permitirem. Alem do exame citológico e anátomo-patológico, pode ser feito o exame imunohistoquímico que pode definir a origem do tumor e permitir ao médico lançar mão de tratamento específico, se houver.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Dr Valdir Furtado, meu nome é Suelen Rodrigues e meu esposo está hospitalizado em Joaçaba-SC, pois está com as plaquetas baixas, porém não foi detectado nenhum outro problema sanguineo a´pos terem realizado todos os exames, biopicia da medula, baço...Enfim todos e esta a oito dias com tratamento intravenoso de Metilprednisolona intercalado com comprimidos de meticortem mas não esta respondendo a este tratamento uma vez que o nivel das plaquetas sobe pouco e algumas vezes baixa novamente, gostaria de saber a sua opinião a respeito, ou seja, se o tratamento é realmente só este, se tem outra alternativa  enfim um posicionamento a respeito para que eu possa me orientar e saber se posso fazer algo para mudar esta situação pois estou muito preocupada...E obtive uma informação de que existe um medicamento o qual ainda não descobri o nome mas é importado de outro país que poderia resover este problema rápidamente, então realmente existe este medicamento, é de seu conhecimento ou não?A sua clinica me foi indicada por uma paciente que tem este mesmo problema e fez tratamento com a Dr Vanda. Se puder me ajudar eu agradeço.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Dr. estou desesperada, recebi o resultado do mielograma de milha filha de 2 anos, no diagnóstico fala em Hiperplasia Medular Global, e os médicos dela aqui do mato grosso (pediatra e hematologista), disseram que ela está produzindo todas as células em quantidade maior que o normal, que é grave, embora descartaram leucemia, mas não descobriram a causa do aumento das células, enquanto não se descobre o que ela tem, ela está sem medicação nenhuma, está muito fraca, anêmica. Preciso saber o que eu faço? Qual a possível doença no sangue ela pode ter?

    ResponderExcluir
  9. gostaria de saber dos riscos de uma cirurgia pseudo umor em hemofilicos meu caso foi enviado p/dra claudia lorenzato orlando jose da silva

    ResponderExcluir
  10. Dr Valdir Boa noite, meu filho de 4 anos tem coagulopatia não definida, os Exames do Eistein apontaram para uma desagregação. Fui ao medico na minha cidade e ela passou novo seven.

    Ele geral/te sangra pelo intestino grosso, e tem hematomas sem causa aparente.

    Na ultima visita a oftalmologista ele constatou que o sistema circulatorio ocular esta se desviando do normal. Feito com exame do fundo do olho. Ele vai fazer fazer um ultra som essa semana. Em consultas anteriores com a Oftalmo nunca foi visualizado nada fora do normal, só nsta última, tanto é que ela pediu acompanhamento de 2 em 2 meses.

    Gostaria de saber se o Sr atende a essa parte ou poderia me indicar alguem

    Att

    Rita

    ResponderExcluir
  11. Me nome é Ricardo Ramsés Guedes Ribeiro – Fisioterapeuta, morador em Pelotas-RS, sou portador da Policitemia Vera, já realizei vários exames e procedimentos, como:
    **Imunofenotipagem – Conclusão: Não foi identificada população celular imatura e/ou de fenótipo aberrante na amostra.
    **JAK2, detecção da mutação V617F- com resultado positivo – laboratório Fleury – POA-RS;
    **Diagnóstico Anatomopatológico da medula óssea – Interpretação medula óssea corada pelo HE, Giemsa, Gordon-Sweet e Perls: POLICITEMIA VERA – FERRO AUSENTE- TRAMA RETICULÍNICA GRAU 1 ( trama frouxa com muitas intersecções, principalmente em áreas perivasculares) – Laboratório KCM-POA-RS.
    ***US Abdominal Total – Baço de dimensões aumentadas, medindo 15,2 cm no maior eixo longitudinal e com ecotextura homogênea; Fígado – leve esteatose hepática.
    Dr. Valdir, diante do exposto acima tenho várias perguntas:

    Realizo hemograma todos os meses, tomo losartana, aspirina retard, há vinte dias parei a sangria terapêutica, devido a minha ausência de ferro, e comecei a tomar o HYDREA, um comprimido ao dia. Pergunto: Existe outro tratamento??? O Agrylin??? Tenho 46 anos, o transplante de medula óssea, poderia ser indicado???Fico no aguardo do venerável mestre Dr. Valdir Furtado.

    ResponderExcluir